• Jornal de Albergaria - Ebd87793 0653 40b8 Be72 D229bc5a9185
  • Jornal de Albergaria - AgroVouga
  • Jornal de Albergaria - Banner Avelab


ESTUDO: metade dos portugueses confia nas vacinas, menos que outros países

  • Categorias Atualidade
  • 11 de Setembro, 2020
  • 38 Visualizações
ESTUDO: metade dos portugueses confia nas vacinas, menos que outros países
50,20% das pessoas confia na segurança das vacinas, um número que sobe para 54,94% quando se avalia a eficácia

Cerca de metade dos portugueses confia na segurança e eficácia das vacinas, um número relativamente baixo, à semelhança do resto da Europa, em comparação com outras regiões, segundo um estudo divulgado ontem.

A revista científica The Lancet publicou os resultados da última edição do projeto “Vaccine Confidence”, da London School of Hygiene & Tropical Medicine, que analisou e comparou dados de 2015 e 2019 de vários inquéritos nacionais em 149 países sobre o nível de confiança das pessoas nas vacinas, em relação à sua segurança, eficácia e importância.

Para Portugal, os investigadores estimam que 50,20% das pessoas confia na segurança das vacinas, um número que sobe para 54,94% quando se avalia a eficácia.

Em comparação com 2015, em dezembro de 2019 os portugueses confiavam mais nas vacinas, registando-se uma diferença de 12 pontos percentuais em relação à segurança e 14 pontos percentuais em termos de eficácia.

Nos dois campos, o país está ligeiramente acima da média da União Europeia onde, segundo os resultados, a confiança na vacinação continua baixa em comparação com as outras regiões: países como o Uganda, Bangladesh, Índia ou Burundi estão entre aqueles que mais confiam.

À semelhança de Portugal, também na Europa a tendência parece ser para confiar cada vez mais, mas os investigadores destacam alguns países onde, por outro lado, são a desconfiança e a oposição que tendem a crescer, como o Azerbaijão, Afeganistão, Paquistão ou Sérvia, refletindo os climas de instabilidade política e extremismo religioso.

Os investigadores também associam os baixos níveis de confiança à desinformação, considerando que essa é uma das principais ameaças à resiliência dos programas de vacinação.

Além da segurança e da eficácia das vacinas, o estudo olha também para a opinião das pessoas em relação à importância da vacinação e aqui a maioria dos países parece considerar que as vacinas, mais que eficazes e seguras, são importantes.

Portugal não é exceção e se cerca de metade dos portugueses confia na segurança e eficácia das vacinas, a percentagem estimada de portugueses que em 2019 consideravam que a imunização é importante era de 69%, à semelhança de 2015.

Considerando o contexto atual da pandemia da covid-19, os investigadores sublinham que a necessidade de acompanhar a opinião da população em relação à vacinação é ainda maior, para que seja possível responder de forma rápida a eventuais quebras na confiança pública.

JA/Lusa

Relacionadas

error: Conteúdo protegido!